Após mais de 10 horas de trabalhos, Bombeiros controlam incêndios em Montes Claros

Imagem feita durante sobrevoo dos Bombeiros nesta quinta (15) — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Imagem feita durante sobrevoo dos Bombeiros nesta quinta (15) — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Fonte: G1 Grande Minas

Uma equipe do Corpo de Bombeiros retornou, nesta quinta-feira (15), às áreas atingidas por dois incêndios nesta quarta (14), em Montes Claros (MG). Os militares trabalharam por 11 horas para conseguir controlar as chamas. Em uma das ocorrências, o fogo seguia em direção à Serra do Mel.

“Estamos com 40 militares preparados para atuar, uma equipe de 10 homens foi ao local com o objetivo de fazer o reconhecimento da área, para verificar a existência de focos, e também realizar intervenções, caso seja necessário. O nosso comandante Major Darlan Soares também fez um sobrevoo para mensurar as dimensões do fogo e verificar o aparecimento de focos”, explica o tenente Michel Igor Maia Cruz, que coordenou os trabalhos de combate nesta quarta.

Incêndio foi registrado no KM-4, da BR-365 — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Incêndio foi registrado no KM-4, da BR-365 — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Inicialmente, os militares foram chamados para atender a um incêndio em vegetação no KM-4 da rodovia. Segundo os Bombeiros, o fogo se propagava por áreas particulares da mata e pela pastagem, seguindo em direção à Serra do Mel. De acordo com o tenente, sem uma visão aérea da região, não é possível determinar a área queimada, mas moradores afirmam que foram queimados de 30 a 35 hectares.

“A grande quantidade de material combustível, a baixa umidade e os ventos colaboraram para que o incêndio se propagasse rapidamente, uma linha de um quilômetro de fogo se alastrava em direção à área de proteção ambiental”, destaca o tenente.

Em relação a esse incêndio, o tenente explica que as causas não são conclusivas, mas diz que duas hipóteses podem ser consideradas; o fogo pode ter começado de forma criminosa ou também de maneira acidental, por meio de uma bituca de cigarro jogada na vegetação, por exemplo.

Segundo incêndio

Vinte pessoas se mobilizaram para combater as chamas — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Vinte pessoas se mobilizaram para combater as chamas — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

O segundo incêndio começou por volta das 19h em uma área de pastagem, logo após o Corpo de Bombeiros controlar o primeiro.

“As chamas se iniciaram em uma área sem contato com a primeira, estávamos no local e agimos rapidamente. Apesar de já estar à noite, fizemos uma avaliação e constatamos que havia condições seguras para que pudéssemos atuar”, afirma Michel Igor Cruz.

Atuação

Para o combate, o Corpo de Bombeiros contou com o apoio de brigadistas do Instituto Estadual de Florestas e Copasa, além de moradores da região, totalizando 20 pessoas. Dois mil litros de água foram usados, além de equipamentos como abafadores, bombas, enxadas, roçadeiras e facões. Aceiros também foram feitos.

“É um trabalho exaustivo, além de estar lidando com equipamentos, temos que nos aproximar da linha de combate. O relevo acidentado também dificulta a atuação, além das condições climáticas”, pontua o tenente.

Fogo seguia em sentido a Serra do Mel — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Fogo seguia em sentido a Serra do Mel — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Maior ocorrência de incêndios

A combinação do clima seco com a irresponsabilidade humana coloca os órgãos ambientais em situação de alerta nesta época do ano. No período do inverno, que começa em junho e segue até setembro, é registrado um aumento considerável do número de queimadas.

Dados do Corpo de Bombeiros apontam que em 2018, das 376 ocorrências deste tipo atendidas pelo 7º Batalhão, com sede em Montes Claros (MG), 269 foram contabilizadas no período do inverno. Em 2019, de acordo com o levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), 1.298 focos já foram registrados em Minas, um aumento de 53,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *